Lingua   

Guerra colonial

Censurados
Lingua: Portoghese


Ti può interessare anche...

Quando a alegria for de todos
(Fernando‎ Lopes-Graça)
Somos livres [Uma gaivota voava, voava]
(Ermelinda Duarte)
As balas
(Adriano Correia de Oliveira)


[1990]
Nell'album eponimo d'esordio di questa punk band portoghese, attiva tra il 1988 ed il 1994.

Censurados

"Sejam quais forem as dificuldades que se nos deparem no nosso caminho e os sacrifícios que se nos imponham a vencê-las, não vejo outra atitude que não seja a decisão de continuar. Esta decisão é imperativo da consciência nacional que eu sinto em uníssono com os encarregados defender lá longe pelas armas a terra da Pátria. Esta decisão é-nos imposta por todos quantos, brancos, pretos ou mestiços, mourejando, lutando, morrendo ou vendo despedaçar os seus, autenticam pelo seu mesmo martírio que Angola é terra de Portugal.
António de Oliveira Salazar - O Ultramar Português e a ONU. Discurso proferido na sessão extraordinária da Assembleia Nacional, em 30 de Junho de 1961


Os soldados todos em formação
Vão todos lutar pela sua nação
Foi num dia, aconteceu em Portugal
Começou a guerra colonial

Só iam para lutar
Só iam para lutar
Só iam para matar
Só iam para matar
Para matar!

Foi no ano de 1961
No dia, no dia, em que Salazar citou:
"Meus bravos, meus dados, meus compatriotas,
Vão para a guerra, calcem lá essas botas"

Só iam para sofrer
Só iam para sofrer
Só iam para morrer
Só iam para morrer
Para morrer!

Só iam para lutar
Só iam para lutar
Só iam para matar
Só iam para matar
Para matar!

inviata da Bernart Bartleby - 18/9/2019 - 21:48



Pagina principale CCG

Segnalate eventuali errori nei testi o nei commenti a antiwarsongs@gmail.com




hosted by inventati.org