Language   

La ballata del Pinelli

Autori Vari / Different Authors / Différents Auteurs
Back to the song page with all the versions


Versione portoghese di Riccardo Venturi
LA BALADA DEL PINELLI

Aquella noche en Milán era caliente
Pero qué calor, qué calor hacía.
Brigadier abra un poco la ventana
Pinelli cayó de repente.

Señor comisario ya le he dicho,
le repito que soy inocente
anarquía no quiere decir bombas
sino justicia, amor, libertad.

Menos historias, confiesa Pinelli,
tu amigo Valpreda ha hablado,
es el autor del vil atentado
y su socio, sabemos que eres tú.

Imposible, grita Pinelli,
un compañero no puede haberlo hecho,
y el autor de este crimen
entre los patrones es necesario buscar.

Ten cuidado, sospechoso Pinelli,
esta habitación ya está llena de humo
si tú insistes abrimos la ventana,
cuatro pisos son duros de "hacer".

Aquella noche en Milán era caliente
Pero qué calor, qué calor hacía.
Brigadier abra un poco la ventana
Pinelli cayó de repente.

Le han matado porque era un compañero,
no importa si era inocente
“Era anarquista y eso basta””,
dice Guida, el feroz comisario.

Hay un ataúd y tres mil compañeros,
agitamos las negras banderas,
en aquel día habíamos jurado
esto no acaba así.

Calabresi, y tú Guida, asesinos
que a un compañero habéis asesinado
la anarquía no se ha detenido
y el pueblo al fin vencerá.

Aquella noche en Milán era caliente
Pero qué calor, qué calor hacía.
Brigadier abra un poco la ventana
Pinelli cayó de repente.

[Y tú Guida y tú Calabresi,
si a un compañero habéis asesinado
por cubrir una masacre de estado
esta lucha más dura será.]
BALADA SOBRE A MORTE DO ANARQUISTA PINELLI

Estava quente em Milão aquela noite,
sim que estava tão quente, tão quente,
"senhor sargento, abra um pouco a janela",
de repente o Pinelli precipitou.

"Já lho disse, senhor Comissário,
e repito que sou inocente.
Anarquia não quer dizer bombas
mas igualdade na liberdade."

"Deixe-se de histórias, indiciado Pinelli
o seu amigo Valpreda já falou,
ele é o autor deste atentado,
e sabemos que você o ajudou."

"Não é possível!", grita o Pinelli
"um camarada não pode fazer isso!
é entre os patrões que há de procurar-se
quem pôs a bomba e a fez exploder.

Outras bombas serão postas
para parar a luta de classe,
os patrões e os burocratas sabem
que a gente já não está disposta a tratar"

"Basta já, indiciado Pinelli!",
Calabresi, enervado, gritava,
"Lo Grano, abra um pouco a janela,
quatro andares são duros a fazer."

Estava quente em Milão em Dezembro,
sim que estava tão quente, tão quente,
bastou abrir um pouco a janela,
um puxão e o Pinelli precipitou.

Dias depois, éramos três mil,
três mil presentes ao seu enterro
e ninguém pode esquecer
o que perante o caixão se jurou.

Mataram-te quebrando-te o pescoço,
precipitaste mas já eras morto.
Calabresi volta pró seu escritório
mas agora já não está tranquilo.

Mataram-te para te calar,
porque tinhas percebido o engano,
agora dormes, já não podes falar
mas os camaradas vão a vingar-te.

"Progressistas", recuperadores
nós cuspimos nas suas mentiras
para o Valpreda, o Pinelli e nós todos
não há outra coisa a fazer.

Os trabalhadores nas fábricas e fora
estão a assinar vossa condenação
o poder começa a ter tremeliques
a justiça vai a ser julgada.

Calabresi e o Guida, o fascista,
lembrem-se bem de que os anos são longos
antes ou depois deve passar-se algo
que do Pinelli lhes faz lembrar.

Estava quente em Milão aquela noite,
sim que estava tão quente, tão quente,
"senhor sargento, abra um pouco a janela",
de repente o Pinelli precipitou.


Back to the song page with all the versions

Main Page

Note for non-Italian users: Sorry, though the interface of this website is translated into English, most commentaries and biographies are in Italian and/or in other languages like French, German, Spanish, Russian etc.




hosted by inventati.org