Language   

Foi na cidade do Sado

José "Zeca" Afonso
Back to the song page with all the versions


OriginalVersione italiana di Riccardo Venturi
FOI NA CIDADE DO SADOFU NELLA CITTÀ DEL SADO
  
Foi na cidade do SadoFu nella città del Sado,
No pavilhão do Navalal padiglione della Marina.
Havia uma bronca armadaC'era una repressione armata
Pelas bestas do capitaldalle bestie del capitale.
  
Aos sete do mês de MarçoIl sette del mese di marzo,
Quinta-feira já se ouviaun venerdì, già si sentiva
Dizer a boca caladadire a mezza voce
Que o PPD era a CIAche il PPD era la CIA
  
Uma tarjeta laranjaUn manifestino arancione
Convite ao povo fazia:invitava la gente:
Venham todos ao comício"Venite tutti al comizio
Da Social Democraciadella Socialdemocrazia."
  
Eram talvez quatrocentosErano forse in quattrocento
Gritando a plenos pulmões:a gridare a pieni polmoni:
Abaixo o capitalismoAbbasso il capitalismo,
Não queremos mais tubarõesnon vogliamo più paperoni.
  
Lá dentro sessenta manosLà dentro, sessanta mani
Do PPD exibiamdel PPD mostravano
Matracas e armas de fogomanganelli e armi da fuoco
E o mais que os outros não viame altre cose che gli altri non vedevano
  
A um sinal combinadoA un segnale combinato
Já quente a polícia vemla polizia arrivò già "calda"
Arreia, polícia, arreiavàntati, polizia, vàntati,
Que o Totta-Acores paga bemché Totta-Acores paga bene
  
Amigo arrebenta a portaAmico, sfonda la porta
Que te vão para matarsennò ti ammazzeranno!
As bestas já fazem fogoLe bestie già fanno fuoco
Lá fora tens de lutarlà fuori devi lottare
  
Os gases lacrimogéniosI gas lacrimogeni
E os tiros que então partiae gli spari che già partivano
Mais os cordões da políciama i cordoni della polizia
Os Pê Pê Dês protegiamproteggevano i "pippiddini"
  
Cai morto João ManuelCade morto João Manuel,
De nascimento algarvioalgarvese di nascita;
Dezoito já eram feridosdiciotto eran già feriti
Ficou o Naval vazioe il padiglione restò vuoto.
  
Justiça pela noite foraLa notte, fuori, il popolo
Pediu o povo na ruachiese giustizia in piazza:
Morte à polícia assassina"Morte alla polizia assassina,
Amigo a vitória é tuaamico, la vittoria è tua."
  
Aos onze do mesmo mêsL'undici dello stesso mese
Às onze horas do diaalle undici del mattino
Enquanto o João passavamentre João passava
Enquanto o João jaziamentre João giaceva morto
  
Do outro lado do rioDall'altra riva del fiume
Morre o soldado Luísmuore il soldato Luís,
Soldado filho do Povosoldato figlio del popolo,
Vamos fazer um Paísandiamo a fare un Paese.


Back to the song page with all the versions

Main Page

Note for non-Italian users: Sorry, though the interface of this website is translated into English, most commentaries and biographies are in Italian and/or in other languages like French, German, Spanish, Russian etc.




hosted by inventati.org